Informar é cultura

Apresentação e explicitação da vida Portuguesa como sinónimo da nossa nacionalidade passando pelos mais variados temas, sem contudo esquecer, o debate de temas proibidos que pecam e se perdem na ignorância dos povos e a sua abordagem por parte dos sectores políticos vigentes. "Ubi veritas?"



sábado, 23 de Novembro de 2013

Inactividade temporária do blogue.

Em virtude de acontecimentos recentes da minha vida que não me permitem dar sequência que ambicionei a este blogue, venho-vos pedir que não deixem o de visitar, certo de que um dia poderei voltar.
O meu obrigado.
Aldino Peres

quinta-feira, 7 de Novembro de 2013

Greve da CCFL - Carris de Lisboa em 07/11/2013 (Estação de Miraflores).

Podem visualizar sem qualquer edição ou selecção das fotografias que retirei do plenário centralizado na Estação de Miraflores. Que sejam retiradas as ilações desta unidade que tardou a acontecer, e resta agora dar continuidade no futuro. Não vamos desperdiçar este acontecimento baseado na unidade por objectivos comuns e dar seguimento em lutas (sejam elas quais forem) que posteriormente acontecerem.
Cliquem aqui para visualizar o album na minha página no Facebook.

quarta-feira, 16 de Outubro de 2013

Como derrubar um governo, políticos, pessoas influentes e empresas que nos levaram a esta crise.

Este video começa aos 49 minutos e diz respeito ao Equador e passa pelo caso Grego. Se quiserem vê-lo na totalidade é só clicar no início (o qual eu aconselho). É assombroso verificar que no caso Grego as motivações da inevitabilidade das reformas que levam à austeridade proferida pelos políticos gregos seja igual aos políticos portugueses, ou seja, MENTEM a favor do FMI-BCE-UE. No video cliquem no ícone das legendas para que o video tenha as legendas em Português. As semelhanças ao nosso país são incriveis, desde a origem da dívida contraída, submarinos comprados à Alemanha, privatizações e até aos "swap's",ou seja, é uma jogada neo-liberal a nivel mundial que visa a globalização e a destruição da autonomia dos países a favor de outros mais poderosos que promovem este conceito (o clube Bilderberg não existe por acaso). Vejam-o e assinem a petição.
Petição pública, clica aqui. 
 
 

terça-feira, 8 de Outubro de 2013

Aníbal Cavaco Silva (presidente da républica portuguesa) e a P.I.D.E (polícia internacional e de defesa do estado).

 
 
 
 
    VALE A PENA RELEMBRAR - ISTO ANDA TUDO LIGADO.

Não foi qualquer gesto subversivo que levou a polícia política a interessar-se por Aníbal António Cavaco Silva. Foi o general Martiniano Homem de Figueiredo, responsável pela Autoridade Nacional de Segurança, que em Maio de 1967 pediu ao director da PIDE que mandasse averiguar se havia alguma informação em desabono deste jovem de Boliqueime.

Se a PIDE não se opusesse, Cavaco Silva, portador do BI número 153955, poderia ser autorizado a manusear documentação classificada até ao grau de “Nato Secreto” (o segundo nível mais restrito de informação) na Comissão Coordenadora da Investigação para a NATO – como era desejo do general, que tinha sido deputado à Assembleia Nacional e presidente do Sporting, antes de assumir o comando operacional das várias entidades de defesa do país.

Aníbal tinha 28 anos e a vida encaminhada: já estava casado com a actual primeira-dama, cumprira o serviço militar em Moçambique e tinha dois filhos. Trabalhava já como investigador da Fundação Calouste Gulbenkian e professor assistente do ISCEF (Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras) onde tinha sido um dos melhores alunos.

A polícia política abriu o processo número 995/67 e pediu ao chefe de gabinete do ministro da Educação que fizesse comparecer Cavaco Silva na sede da PIDE, na Rua António Maria Cardoso. O professor faltou à primeira convocatória mas, após uma insistência do director da PIDE, em Dezembro de 1967, preencheu o “formulário pessoal pormenorizado”, um boletim de 4 páginas que era burocraticamente designado como “modelo 566”.

A alínea 12 colocava uma questão directa: “Sua posição e actividades políticas”. Na linha de baixo, num momento em que António de Oliveira Salazar - então com 78 anos - cumpria o seu 35.º ano como líder da ditadura, Cavaco Silva escreveu: “Integrado no actual regime político”. Deixou mais uma linha e acrescentou: “Não exerço qualquer actividade política”.

Na alínea 23, solicitado a indicar “duas pessoas idóneas (de preferência oficiais do Exército, Marinha ou Força Aérea) que o possam abonar moral e politicamente”, o actual Presidente da República quis fazer mais do que o formulário requisitava. Com a sua caneta riscou o “duas” e anotou por cima “três”, para o caso de a PIDE não reparar que tinha indicado um nome extra.

Deu então os nomes de um membro da União Nacional - o partido do regime liderado por Salazar - José Rodrigues Alho, que exercia a profissão de fiscal da Carris (a empresa que geria os autocarros e eléctricos em Lisboa); do presidente da Junta de Freguesia de Santo Condestável, o tenente do exército Artur Ticão; e de um membro do secretariado da Defesa Nacional, o capitão António Ferreira da Costa.

Depois de prestar todas as informações sobre os seus dados de identificação, como nome, morada actual e endereços anteriores (viva num 5º andar da R. Padre Francisco e antes tinha residido noutro 5º andar na vizinha Rua Almeida e Sousa, na zona de Campo de Ourique, em Lisboa), locais onde estudou, situação militar (“Teve algum castigo? Não tive punições”), empregos, nomes e dados dos pais, esposa, irmãos, cunhados e sogros, foi ainda confrontado com a alínea 20, onde lhe era perguntado se algum destes familiares tinha residido na União Soviética ou Satélites – uma pergunta obrigatória, num contexto de Guerra Fria, a qualquer candidato a manusear documentos relacionados com a Organização do Tratado do Atlântico Norte.


 Na folha de rosto do boletim está agrafada, no canto superior esquerdo, uma sua foto tipo-passe, de blazer, pullover, camisa branca e gravata escura. Na última página, a seguir à data (Lisboa, 21/12/1967), o respondente rubricou a sua assinatura: “Aníbal António Cavaco Silva”. Depois, num espaço reservado para observações, entendeu que devia prestar uma informação adicional sobre a família: “O sogro casou em segundas núpcias com Maria Mendes Vieira, com quem reside e com quem o declarante não priva.”




Os funcionários da PIDE recolheram informações sobre o “porte moral e político” do então professor e investigador, os homens indicados por Cavaco Silva foram contactados, e o agente Amorim concluiu que “moral e politicamente nada se conseguiu apurar em seu desabono”.

Fonte: Arquivo Nacional da Torre do Tombo Por Pedro Jorge Castro.

Resta acrescentar que uma das críticas apontadas a Cavaco Silva, foi que quando era Primeiro-Ministro, condecorou dois ex-inspectores da PIDE, um dos quais estivera envolvido nos disparos sobre a multidão concentrada à porta da sede daquela polícia política ; mas recusou uma pensão a Salgueiro Maia: um dos heróis da Revolução dos Cravos em 25 de Abril de 1974, que postumamente foi atribuída em 1995 por António Guterres como "Pensão de Sangue".

Arrependido (?) do erro, Cavaco Silva depositou uma coroa de flores, 20 anos depois, junto à estátua do Capitão de Abril, falecido em 1992.

À TSF, Cavaco Silva admite ter preenchido a ficha na PIDE mas não se lembra. Depois de Manuel Alegre o ter associado ao Salazarismo por Cavaco Silva ter preenchido uma ficha na PIDE para aceder a documentos da NATO, o candidato diz que, se o fez, foi por razões académicas.
Aqui denota-se a inconsistência no discurso, então admite e não se lembra (como no caso da Aldeia da Coelha) e depois se o fez certamente foi por razões académicas. Até onde vai a mentira.

Aos 2 milhões de Portugueses que o elegeram o meu sincero obrigado por me terem prejudicado na vida, e ele agradece a eleição mesmo após de se saber o escândalo do caso BPN em que lucrou com a venda das acções não cotadas em bolsa.

Mais informações sobre o percurso de vida deste sujeito vejam aqui.